Tratamento não-hormonal seria eficaz contra um sintoma da menopausa

Os resultados iniciais de um estudo realizado pela Universidade de Colorado, nos Estados Unidos, e publicado no periódico científico Menopause sugerem que um novo remédio oral — o fezolinetante — conseguiria minimizar as ondas de calor características da menopausa, sem recorrer a hormônios. O medicamento, do laboratório Astellas, seria uma saída para mulheres que não podem fazer reposição hormonal.

Meirelles explica que, na menopausa, a produção de progesterona e estrogênio é muito comprometida, Isso porque as mulheres param de ovular, e a fabricação desses hormônios está ligada ao funcionamento dos ovários.

“É aí que elas começam a apresentar os conhecidos calores, além do ressecamento de pele e vagina e da perda de massa óssea”, completa o endocrinologista.

A melhor forma de combater esse contratempo é por meio da reposição hormonal. Só que essa terapia tem contraindicações. Mulheres com histórico de câncer de mama ou problemas hepáticos graves, por exemplo, não devem recorrer a ela.

“A qualidade de vida cai muito pela falta dos hormônios. Essa nova medicação pode ser muito útil em cenários como esse”, informa o especialista.

Cuidar de quem se ama, #IssoéCACSS