Câncer de mama: por que o controle de peso impacta na doença

Vamos falar sobre a obesidade e o Câncer de Mama – Você sabe por que é importante manter o peso e ter hábitos mais saudáveis para prevenir a doença?

O sobrepeso causa em nosso corpo uma inflamação crônica, ocasionando em um crescimento desordenado das células. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 2,3 bilhões de pessoas estão obesas ou com sobrepeso. A obesidade chegou ao ponto de ganhar uma proporção epidêmica no mundo todo e acabou contribuindo para um maior aumento de casos de vários tipos de câncer, dentre elas está o câncer de mama.

O excesso de peso ocasiona em nosso corpo um estado de inflamação crônica. Isso ocorre porque o nosso sistema imunológico se prepara para reter o excesso de gordura. O problema, é que esse mecanismo de defesa que nosso corpo tem, pode acabar afetando células saudáveis, contribuindo para o aumento celular desordenado (o câncer).

Obesidade e Câncer de Mama

Mulheres na pós-menopausa com obesidade ou diabetes são mais propicias à doença, condições associadas à resistência à insulina e o aumento da mortalidade em consequência da neoplasia em pacientes com esse perfil. Além de impactar no risco de desenvolvimento de tumores de mama e seu prognóstico, estudos recentes têm mostrado que a obesidade também pode ter um impacto negativo para o tratamento.

Um alto índice de massa corporal (IMC) no momento do diagnóstico pode reduzir a eficácia da quimioterapia à base de taxano e piorar os resultados de sobrevida. O taxano é uma droga lipofílica – a gordura presente no paciente pode absorver parte da droga antes mesmo que ela consiga atingir o tumor.

Apesar de todas essas evidências, poucos brasileiros conhecem a relação entre obesidade e tumores. Um levantamento da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica mostra que uma em cada quatro pessoas desconhece a relação entre essas duas enfermidades.

Para que possamos combater a obesidade e prevenir essas doenças crônicas, principalmente o tumor da mama, é preciso reconhecer que a obesidade é uma doença multifatorial. A Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que a obesidade é o segundo maior fator de risco de câncer, atrás somente do tabagismo. Intervenções multiprofissionais como: educadores físicos, nutricionistas, endocrinologistas e psicólogos. Têm mostrado resultados notáveis no combate à doença, que já é considerado um caso de saúde pública.

Fonte: https://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/cancer-de-mama-por-que-o-controle-de-peso-impacta-na-doenca/