Pesquisa indica que mulheres sentem mais dores que os homens

Mais de 80% das brasileiras dizem sentir alguma dor com frequência. Entre os homens, o índice é de 18%. É o que constata um levantamento feito pelo Ibope entre junho e julho, meses em que a aderência à quarentena imposta para conter a Covid-19 era alta, a pedido farmacêutica Bayer.

Fatores sociais, culturais, anatômicos e biológicos podem justificar a diferença entre gêneros, que já é observada há algum tempo pela comunidade científica. “No período pré-menstrual, por exemplo, a sensibilidade aumenta. Diante disso, os serviços de saúde deveriam oferecer estratégias específicas para elas”, avalia o neurologista Mauricio de Souza, líder da área de produtos de consumo da Bayer.

Com a pandemia de Covid-19, contudo, ambos os sexos têm se queixado mais de dores relacionadas às mudanças na rotina e ao trabalho em casa. Como consequência, cerca de 25% respondentes afirmaram usar analgésicos ao menos uma vez por semana.

Uma nova definição do que é a dor

Falando em dores, a Associação Internacional para o Estudo da Dor atualizou recentemente o conceito dessa sensação. Ela é entendida agora como “uma experiência sensorial e emocional desagradável associada (ou semelhante àquela associada) a um dano real ou potencial ao tecido”. O que mudou? A palavra “semelhante”.

Há pessoas que, mesmo sem ter sofrido uma lesão, relatam o incômodo. São as chamadas dores nociplásticas — há dor, mas não há evidência da causa, o que dificulta diagnóstico e tratamento. “A dor é uma experiência pessoal influenciada por fatores biológicos, psicológicos e sociais”, crava a entidade.

Te informar, #IssoéCACSS