SINAIS DE AVC SÃO NEGLIGENCIADOS NA PANDEMIA DO CORONAVÍRUS

Apesar de ser a segunda maior causa de morte no mundo, o acidente vascular cerebral (AVC) não tem recebido o merecido cuidado e atenção em tempos de pandemia. Levantamento recente da World Stroke Organization (WSO) aponta queda global de mais de 60% nos atendimentos do problema após o início do isolamento social.

Se o medo tem levado à negligência em relação aos sintomas da doença, fazendo com que as pessoas morram em suas próprias casas, há outro ponto de atenção a ser considerado. É bem possível que esses pacientes também não estejam cuidando da alimentação, que deve ser equilibrada, ou mesmo tenham abandonado a prática regular de atividade física — dois hábitos fundamentais na prevenção do AVC.

Pesquisas também apontam aumento do estresse e do consumo de álcool em razão da pandemia, outros fatores relacionados à condição.

É por tudo isso que criamos e divulgamos o movimento internacional #avcnãofiqueemcasa.

Neste momento desafiador, é preciso redobrar a atenção aos sintomas do AVC, como:

- Perda da força muscular ou formigamento, principalmente nos braços, nas pernas ou de um lado do corpo

- Tontura, associada à falta de equilíbrio e coordenação motora

- Dificuldades de fala ou compreensão

- Perda parcial da visão

- Fortes dores de cabeça

- Diante dessas circunstâncias, é necessário agir urgentemente, ligando para o SAMU (192) ou buscando o hospital de referência mais próximo.

Somente com a conscientização de que o AVC tem cura poderemos poupar vidas e todo o sofrimento relacionado às sequelas permanentes da doença. E isso segue valendo durante e após a pandemia.

Te informar, #IssoéCACSS