Estudo confirma papel da atividade física regular contra a depressão

Ao todo, as fases clínicas 1 e 2 têm previsão de 6.000 voluntários com 18 anos ou mais

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) notificou em 9 de junho, que concedeu ao Instituto Butantan autorização para realizar pesquisas clínicas com a vacina Butanvac. A agência informou que, com isso, é possível iniciar os testes de vacinas em humanos no Brasil.

No entanto, a Anvisa afirmou em nota que “o butantan ainda fornecerá algumas informações adicionais sobre os testes de vacinas em andamento antes de começar a vacinar os voluntários. O butantan deve iniciar a aplicação experimental do butanvac em breve”.

A agência afirmou que esta será a primeira vez que a vacina do Butantan contra a Covid-19 será aplicada em humanos nas fases clínicas 1 e 2. A autorização para o estudo foi anunciada no Diário Oficial, no dia 10 de junho.

As pesquisas clínicas de Fase I e Fase II são divididas em três fases (A, B, C). Nesse momento, foi autorizada a fase A da pesquisa envolvendo 400 voluntários. No total, as fases clínicas 1 e 2 devem ter 6.000 voluntários com 18 anos de idade ou mais.

A vacina será administrada em duas doses com 28 dias de intervalo entre a primeira e a segunda dose. O estudo deve ser realizado no Hospital das Clínicas (FMUSP) e no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

O governador João Doria afirmou em post em sua rede social que esta é a primeira vacina produzida no Brasil e não exige aportes de outros países. De acordo com Doria, o Butantan tem 7 milhões de doses prontas do ButanVac.